InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 [Autor] Fernando Pessoa

Ir em baixo 
AutorMensagem
Vitor Pio
Visconde de Santo Tirso
avatar

Mensagens : 28
Data de inscrição : 16/02/2011
Localização : Ourém

MensagemAssunto: [Autor] Fernando Pessoa   Sex Jun 24, 2011 4:01 am

Citação :
    Fernando Pessoa, ortónimo.






       Análise

    Tão abstrata é a idéia do teu ser
    Que me vem de te olhar, que, ao entreter
    Os meus olhos nos teus, perco-os de vista,
    E nada fica em meu olhar, e dista
    Teu corpo do meu ver tão longemente,
    E a idéia do teu ser fica tão rente
    Ao meu pensar olhar-te, e ao saber-me
    Sabendo que tu és, que, só por ter-me
    Consciente de ti, nem a mim sinto.
    E assim, neste ignorar-me a ver-te, minto
    A ilusão da sensação, e sonho,
    Não te vendo, nem vendo, nem sabendo
    Que te vejo, ou sequer que sou, risonho
    Do interior crepúsculo tristonho
    Em que sinto que sonho o que me sinto sendo.

    Fernando Pessoa, 12-1911.


       Dobre

    Peguei no meu coração
    E pu-lo na minha mão

    Olhei-o como quem olha
    Grãos de areia ou uma folha.

    Olhei-o pávido e absorto
    Como quem sabe estar morto;

    Com a alma só comovida
    Do sonho e pouco da vida.

    Fernando Pessoa, 1913


       Intervalo

    Quem te disse ao ouvido esse segredo
    Que raras deusas têm escutado -
    Aquele amor cheio de crença e medo
    Que é verdadeiro só se é segredado?...
    Quem te disse tão cedo?

    Não fui eu, que te não ousei dizê-lo.
    Não foi um outro, porque não sabia.
    Mas quem roçou da testa teu cabelo
    E te disse ao ouvido o que sentia?
    Seria alguém, seria?

    Ou foi só que o sonhaste e eu te o sonhei?
    Foi só qualquer ciúme meu de ti
    Que o supôs dito, porque o não direi,
    Que o supôs feito, porque o só fingi
    Em sonhos que nem sei?

    Seja o que for, quem foi que levemente,
    A teu ouvido vagamente atento,
    Te falou desse amor em mim presente
    Mas que não passa do meu pensamento
    Que anseia e que não sente?

    Foi um desejo que, sem corpo ou boca,
    A teus ouvidos de eu sonhar-te disse
    A frase eterna, imerecida e louca -
    A que as deusas esperam da ledice
    Com que o Olimpo se apouca.

    Fernando Pessoa.


       Abdicação

    Toma-me, ó noite eterna, nos teus braços
    E chama-me teu filho... eu sou um rei
    que voluntariamente abandonei
    O meu trono de sonhos e cansaços.

    Minha espada, pesada a braços lassos,
    Em mão viris e calmas entreguei;
    E meu cetro e coroa - eu os deixei
    Na antecâmara, feitos em pedaços

    Minha cota de malha, tão inútil,
    Minhas esporas de um tinir tão fútil,
    Deixei-as pela fria escadaria.

    Despi a realeza, corpo e alma,
    E regressei à noite antiga e calma
    Como a paisagem ao morrer do dia.

    Fernando Pessoa, 1913.


       ...

    Dorme enquanto eu velo...
    Deixa-me sonhar...
    Nada em mim é risonho.
    Quero-te para sonho,
    Não para te amar.

    A tua carne calma
    É fria em meu querer.
    Os meus desejos são cansaços.
    Nem quero ter nos braços
    Meu sonho do teu ser.

    Dorme, dorme. dorme,
    Vaga em teu sorrir...
    Sonho-te tão atento
    Que o sonho é encantamento
    E eu sonho sem sentir.

    Fernando Pessoa.


       ...

    Põe-me as mãos nos ombros...
    Beija-me na fronte...
    Minha vida é escombros,
    A minha alma insonte.

    Eu não sei por quê,
    Meu desde onde venho,
    Sou o ser que vê,
    E vê tudo estranho.

    Põe a tua mão
    Sobre o meu cabelo...
    Tudo é ilusão.
    Sonhar é sabê-lo.

    Fernando Pessoa.


    (...)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
[Autor] Fernando Pessoa
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» [Neto’s Review] The Legend of Zelda: Majora’s Mask 3D
» GAMENEWS: GTA 5 em 1ª Pessoa,4K no PC e Mais/The Crew Requisitos Revelados/ PES2015
» Uma noite de calma e descanso.
» PandinhaGame se apresentando

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Burgo :: Biblioteca Condal :: Ala Literária-
Ir para: